MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews 2020: 19228533
Pageviews 2019: 4355776
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Novo MCM para Exchange 2010

A Microsoft anunciou a alguns dias um modelo híbrido, diminuindo a estada em Redmond de 15 para 5 dias, sendo 10 dias com leitura de material e acesso de 11 semanas ao ambiente virtual para laboratórios, ao invés de apenas os 18 dias do treinamento.

Porem, diferente do MCM de SQL Server 2008 (http://bit.ly/o0C9DB) que passou a ser remoto, o MCM de Exchange 2010 exige a viagem a sede da Microsoft, mas os custos ficam reduzidos em hotel. Porem, para quem é de um pais distante como o Brasil o custo ainda é alto por conta da viagem até Seattle, mas se torna muito mais barato do que apagar 12 dias de hotel (2 semanas + final de semana) que não sai por menos de U$ 1.500

Para quem pretende tentar o MCM a partir de 2012, segue o link com as mudanças e com o site de registro http://blogs.technet.com/b/themasterblog/archive/2011/08/05/new-delivery-model-for-sharepoint-2010-mcm-available-in-january-2012.aspx

Posted: ago 18 2011, 17:30 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

O que é e como calcular IOPS (Exchange, SQL, SharePoint, etc)?

Esta pergunta é frequente, principalmente porque como consultor de soluções da Dell que é um fabricante de hardware temos que saber.

O que são IOPS?

É o número de operações por segundo que um disco individual consegue chegar. Por exemplo, um disco SAS de 10K consegue em média 140 IOPS.

Esta velocidade é padrão na industria com variações entre modelos, mas podemos ter uma base do que é aceitável e o fabricante do disco poderá lhe informar este número.

Porem, note que a diferença é muito grande, principalmente levando em conta os novos discos SSD. Por exemplo, o disco X25-E da Intel (Veja o pdf com as caracteristicas em http://download.intel.com/design/flash/nand/extreme/extreme-sata-ssd-datasheet.pdf) chega a números 30 vezes maiores que os discos SAS e SATA.

image

Porque o IOPS é tão importante?

Esta pergunta é óbvia, mas a explicação pode não ser tão simples. Acontece que na maioria dos casos temos a tendencia de minimizar a questão dizendo que é “performance” ou “percepção do usuário” mas na verdade pode impactar diretamente no funcionando de um aplicativo, em alguns casos até inviabilizando.

Por exemplo, um ambiente Exchange 2003 com 2 mil caixas de correio precisa de 1,5 mil IOPS e este número não é fácil de alcançar. O SQL Server para um banco de dados do SharePoint precisa de 5 mil IOPS para funcionar.

Como calcular o IOPS?

Multiplique o total de discos pelo tipo de RAID e conseguirá o seu número. Segue alguns exemplos:

image

O RAID 1, RAID 10 ou RAID 0 irá lhe proporcional o maior numero de IOPS possivel, já o RAID 5 o calculo leva em conta 1 disco a menos e no RAID 50 2 discos a menos para as paridades.

Como conseguir o maior IOPS possivel com maior capacidade?

Temos tres formas de fazer isso:

  1. Utilize discos de alta performance, como os SAS de 15K ou o SSD, porem são caros e no caso do SSD de tamanhos de apenas 32/50/64/100GB
  2. Utilize o tipo de RAID apropriado para a performance e não visando o tamanho desejado como muitos hoje fazem, o que muitas vezes implica em utilizar RAID 10 para ter a performance total ao invés de RAID 50, perderiamos em capacidade mas ganhamos em performance
  3. Compre um storage que trabalha com as LUNs virtuais, ou seja, ele aloca os dados nos discos conforme a necessidade deste dado e não necessita dizer o tipo de RAID

O que são as LUNs virtuais?

Não vamos entrar no ponto técnico já que este é bem mais complexo, porem podemos entender o que é esta nova tecnologia sem nos tornarmos especialistas em storage.

Usando os storages da Dell como exemplo, o MD3200i trabalha com LUNs da forma normal que conhecemos. Você indica que os discos X a Y formam o RAID 0, de Z a W o RAID 5 e assim por diante. Ou seja, mapeamos diretamente os discos e ficamos dependentes da capacidade de IO individual de cada um.

Já na série EqualLogic podemos definir o tamanho da LUN sem indicar os discos e o próprio storage irá alocar automaticamente os dados mais acessados nos discos mais rápidos (!!!!!!!!!!). Você deve estar achando que é brincadeira ou algo do tipo “conceito”, mas não é!!

Os novos storages vendidos pela Dell, EMC, IBM e outros são inteligentes e permitem misturar os discos. Por exemplo, posso colocar discos SSD na gaveta do storage e mais uma gaveta adicional com 24 discos de 15K SAS e não me preocupar se a LUN que criei está nos discos mais performáticos, quem fará este trabalho é o storage.

E, o mais interessante, quando o storage “perceber” que determinado dado (LUN) é mais acessado que outro ele irá realocar para os discos mais rápidos e fazer o shift dos dados sem intervenção e queda de performance, já que trabalha em background e automático !!!!

Referencias interessantes

Como calcular IOPS para Exchange 2003 http://technet.microsoft.com/en-us/library/bb125019(EXCHG.65).aspx

Como calcular IOPS para Exchange 2010 http://technet.microsoft.com/en-us/library/ee832791.aspx

Como calcular IOPS para o SQL do SharePoint 2010 http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc298801.aspx

Utilitário para medir IOPS para o SQL Server (SQLIO) http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?displaylang=br&id=20163

Referencia do EqualLogic S6000 http://www.equallogic.com/products/default.aspx?id=9511

Posted: jul 03 2011, 13:53 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Best Practices para Exchange 2010 no Hyper-V

Este documento disponibilizado no domingo pela Microsoft é útil não só em casos de Exchange mas como em qualquer outro projeto de virtualização com Hyper-V.

O documento foca nas melhores práticas de implementação do Exchange 2010 no Hyper-V mas adicionalmente explica as tecnologias envolvidas e o porque da recomendação.

Por exemplo, explica cada tipo de disco que o Hyper-V suporta (DAS, iSCSI, eSATA, etc) e considera qual o melhor a ser utilizado e recomendações como termos mais de uma placa de rede no caso de iSCSI, performance de discos virtuais fixos versus dinamicos, etc.

Mas como o documento é focado em Exchange, achei algumas recomendações muito interessantes, principalmente o resumo que ele apresenta com os itens:

  • Snapshots, differencing/delta disks
  • Virtual processor/physical processor core ratios greater than 2:1
  • Applications running on the root virtual machine (excluding antivirus, backup, management software, and so on).

Do meio do documento para frente ele passa a descrever um cenário de exemplo e mostrar os cáculos envolvidos pela carga do cliente e como seria o sizing, incluindo DAG e recomendações sobre como usar da melhor forma.

Resumindo, leitura imperdível!!!!!!

Faça o download em http://www.microsoft.com/downloads/en/details.aspx?FamilyID=8647c69d-6c2c-40ca-977e-18c2379b07ad

Posted: mai 17 2011, 09:52 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Migrando Pastas Públicas no Exchange 2010

Uma dificuldade que notamos no Exchange 2007/2010 em relação ao Exchange 2003 é a dificuldade de migrar pastas públicas quando um servidor é desativado para outros servidores distribuidos.

Entrar pasta por pasta para mudar é um processo lento e não temos uma forma fácil de replicar de cima para baixo, principalmente quando temos várias árvores.

Para isso no Exchange 2003 usávamos o PFDAVAdmin que não é compativel com o Exchange 2010.

Agora a Microsoft tem a ferramenta atualizada para o Exchange 2010 SP1 que também pode ser usada para o Exchange 2007 SP2 e Exchange 2010 RTM que se chama ExFolders.

O interessante desta ferramenta é o fato de permitir fazer a réplica de cima para baixo em qualquer nível de árvore desejada, como a imagem abaixo mostra:

ExFolders

Note a opção Folder Permissions que permite alterar as permissões de forma rápida. A opção Propagate replica list para corrigir problemas com servidores desativados de cima para baixo e as subpastas do lado direito ontem podemos ver todas as configurações de uma pasta, como replicas, itens e os limites desta.

Essa é a ferramenta essencial em uma migração!!!

Link para Download http://gallery.technet.microsoft.com/Exchange-2010-SP1-ExFolders-e6bfd405

Posted: mai 06 2011, 13:20 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Exchange Server

Scripts de Troubleshooter no Exchange 2010 SP1

Hoje o time de produtos do Exchange disponibilizou a explicação detalhada dos 3 scripts de resolução de problemas embutidos no SP1.

O interessante destes scripts é que resolvem problemas que são comuns em clientes, como por exemplo, indices corrompidos. Eles podem ser executados mesmo que os eventos indicados no artigo não estejam presentes no log.

São tres scripts em PowerShell:

  • Content Index Troubleshooter(Troubleshoot-CI.ps1)
  • Database Latency Troubleshooter(Troubleshoot-DatabaseLatancy.ps1)
  • Database Disk Space troubleshooter(Troubleshoot-DatabaseSpace.ps1)

Para detalhes sobre estes scripts você pode ler o Release Notes do SP1 ou acessar o post do time: http://msexchangeteam.com/archive/2011/01/18/457713.aspx

PS: Guarde este link porque estes scripts foram embutidos no SP1 exatamente por causa da alta ocorrencia dos eventos relacionados.

Posted: jan 19 2011, 13:53 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Exchange Server
Login