MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews 2019: 4967160
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Desenhando Soluções de Microsoft Lync 2013

Uma das tarefas de arquitetura é determinar posicionamento, carga, roles e configurações de um produto.

Em muitos produtos a Microsoft fornece aplicativos que permitem fazer o desenho  da topologia com informações detalhadas, e um destes é o Microsoft Lync Server 2013 Planning Tool disponivel em http://www.microsoft.com/en-us/download/confirmation.aspx?id=36823

A ferramenta é simples de instalar, mas muito útil e fornece informações que serviram de base para o desenho final. É importante lembrar que ferramentas de design de topologia servem de referência, mas cabe ao arquiteto utilizar estas informações para fazer o desenho final da solução desejada.

Irei neste artigo detalhar a ferramenta e a cada dado especificado tentar colocar o que será afetado na topologia conforme a opção escolhida.

 

Utilizando o Lync Planning Tool – Definição de Roles

Ao abrir a ferramenta podemos ver diversos detalhes e iniciar o processo. Do lado esquerdo temos uma série de links para entender a ferramenta, a barra de ferramentas com as funcionalidade de geração das planilhas Excel (XML) e desenho em Visio. No centro temos como ler um design salvo (File…Open…botão Display) ou criar um novo desenho em Design Sites:

09-09-2013 07-29-38

Ao iniciar o desenho de uma nova topologia será necessário inserir os dados de como o cliente irá utilizar o Lync. O primeiro destes dados é sobre Audio/Video conferencia que influirá diretamente no número de Frontend Servers necessários, apesar de ser ponto a ponto (peer-to-peer) quando utilizado o Lync Client:

09-09-2013 07-29-53

Dial-In é o recurso do Lync de permitir que um usuário entre na conferencia diretamente por um telefone comum utilizando um número criado para cada meeting. É importante lembrar que este recurso depende da integração entre o Lync e o PBX VoIP:

09-09-2013 07-30-11

Web Conferencing são as reuniões (meetings) entre usuários de Lync Client e usuário externos na internet. Diferente da primeira opção (Audio/Video), aqui estamos identificando que o cliente irá fazer reuniões com usuários não locais, o que é bem diferente e irá impactar em Edge Server e Frontend Servers:

09-09-2013 07-30-33

Enterprise Voice é o recurso da integração do Lync Server com o PBX VoIP, que alem da integração entre o cliente do Lync e o telefone também faz o encaminhamento de mensagens para o Exchange, o Voice Admissions para conferencias (Dial-in Conference) e outros recursos. Essencial lembrar que para isso é necessário ter a licença Lync Enterprise para o cliente e o servidor. Habilitar esta configuração impacta no numero de Frontend, Mediation e Gateway Server (se o PBX não é diretamente compatível com o Lync):

09-09-2013 07-30-47

Quando se implementa o recurso acima (Enterprise Voice) é possivel criar a integração entre o Lync Server e o Exchange Server. Por exemplo, ao receber uma mensagem na caixa postal do ramal esta mensagem é transformada em texto pelo reconhecimento de voz do Lync Server e enviada para o email do usuário em forma de texto e arquivo de som anexado. Esta configuração exige o Exchange Server 2010 e preferencialmente o Exchange 2013, alem de impactar no número de Frontend Servers:

09-09-2013 07-31-01

O CAC(Call Admission Control) é um recurso do Lync quando integrado ao PBX para trazer qualidade as ligações. Com ele o Lync controla a banda de VoIP fazendo o roteamento para linhas comuns (PSTN) quando a internet WAN utilizada para ligações IP estiver com tráfego alto.  É essencial para garantir qualidade nas ligações em sistemas integrados:

09-09-2013 07-31-14

A monitoração irá gerar dados detalhados da qualidade e utilização do Lync para estatisticas e geração de relatórios, o que permitirá ao administrador verificar a demanda e priorizar os investimentos na topologia quando precisar de expansões. Esta função é uma role separada de outras, apesar de ser possível ser compartilhada em um mesmo servidor físico Frontend:

09-09-2013 07-31-25

O Archive é o recurso que no Outlook cria uma pasta “Conversation History” ou um botão de histórico no Lync Client. Ele pode ser configurado para utilizar o SQL Server ou o Exchange 2013. O ideal é sempre utilizar o Exchange, assim a integração com o Outlook é garantida, porem apenas com o Exchange 2013 ela é possível. Utilizar o SQL Server irá criar uma base de dados pequena, uma vez que no IM (Instant Messenger) não costumamos utilizar imagens ou sons. É uma role separada, podendo ser compartilhada com outras roles assim como as outras:

09-09-2013 07-31-36

O Chat Persistente é um recurso utilizado para habilitar uma tab no cliente Lync 2013 onde é possivel criar conversações que ficam arquivadas e disponiveis para leitura posterior pública ou limitada a uma lista de usuários especificadas pelo criador da conversação. Impacta no número de Frontend Servers e no espaço utilizado no banco de dados do Lync:

09-09-2013 07-31-47

É a role que suporta o acesso para dispositivos móveis, lembrando que o Lync 2013 já possui clientes para iOS, Android e Windows Phone, permitindo inclusive chamadas de voz. Impacta no número de servidores Frontend e principalmente Edge Servers:

09-09-2013 07-31-56

O recurso de federação permite que os clientes do Lync internos se conectem com clientes MSN e outros. Com este recurso é possivel que os usuários corporativos usem o Lync para conversar com usuários Microsoft Live e impacta no número de Edge Servers necessários, e está disponivel gratuitamente no Lync 2013 para a licença Enterprise:

09-09-2013 07-32-07

Alta disponibilidade irá definir a necessidade de cluster do SQL Server e pools de Frontend e Edges Servers:

09-09-2013 07-32-17

Obviamente, serve apenas como informativo para os relatórios de ranges de IPs necessários no projeto final:

09-09-2013 07-32-27

 

Utilizando o Lync Planning Tool – Definição de Sites

No próximo passo é necessário definir quantos sites o cliente possui, o que será utilizado em cada site e para quantos usuários.

Note que as perguntas anteriores servem para indicar os recursos que serão considerados nesta fase. Ou seja, é possivel alterar as opções anteriores por clicar nos checkboxes em cada site. Conferir com cuidado o que cada site utilizará de recursos é importante neste ponto, já que em geral cada site tem diferentes necessidades:

09-09-2013 07-33-11

Esta opção serve apenas como informativo para o numero de certificados e o desenho final gerado, com os sites existentes no clientes:

09-09-2013 07-33-27

As próximas duas telas definem métricas de reuniões e voz que serão consumidas. Estes dados são baseados em experiência e histórico que podem ser obtidas com o pessoal de telecomunicações do cliente:

09-09-2013 07-33-37

09-09-2013 07-33-46

Para integração com o PBX é possivel utilizar gateways (equipamentos dedicados a fazer o roteamento entre o PABX tradicional e o Lync), SIP Truking (integração direta com o PBX VoIP e o Lync) ou conexão já existente. Estas definições são realizadas pelo pessoal de telecomunicações previamente ao design do Lync:

09-09-2013 07-33-56

Neste ponto definimos o percentual de usuários que tem ramais integrados para Unified Messaging. Na maioria das empresas não são todos os funcionários que possuem ramal próprio ou que precisem deste recurso, por exemplo para mesas de atendimento rotativo. Este dado é definido pelo cliente em questionários prévios:

09-09-2013 07-34-05

Defina quantos usuários irão fazer acesso externo, o que implica em mais servidores Edge do Lync:

09-09-2013 07-34-17

Defina quantos usuários utilizaram o recurso de Chat Persistente. Este dado é díficil de ser levantado, já que dificilmente a empresa terá isso antes do projeto. Porem, pode-se usar o percentual padrão de 20% que são aqueles que utilizam recursos assim, já que a grande maioria usa apenas o IM, sem criar salas de discussão. Um bom parametro para saber se este recurso é muito utilizado é por verificar a utilização de Pastas Públicas do Exchange:

09-09-2013 07-34-27

Defina o percentual de usuários que utilizarão os clientes Android, iOS e Windows Phone:

09-09-2013 07-34-35

Mediation Server é a role que faz integração entre o PBX e o Lync. Defina se irá utilizar um servidor único ou compartilhado para esta função. Obviamente que impacta no número de servidores e depende do número de ramais existentes no PBX:

09-09-2013 07-34-45

Por último defina sites que se conectam a sua estrutura. Neste caso são locais que conectam nos servidores localizados no site que foi definido e não locais onde haverá estrutura separada de servidores, o que e considerado outro site:

09-09-2013 07-37-02

Terminado de definir os dados do site, pode-se repetir a operação várias vezes para outros sites, lembrando que entende-se como "Central Site” aqueles locais onde haverá servidores Lync:

09-09-2013 07-37-15

 

Utilizando o Lync Planning Tool – Visualizando Resultados

09-09-2013 07-38-19

Ao clicar no botão Draw no final dos questionários podemos ver a topologia básica necessária, com os sites definidos.

Note que na lateral direita temos a configuração total de servidores necessários, onde temos a necessidade de servidores fisicos e roles:

09-09-2013 07-38-36

Clicando em cada site é possivel ver a estrutura sugerida, como o exemplo abaixo. Veja que na lateral direita em Ações é possivel retornar ao desenho global e ter acesso aos documentos online da Microsoft para as tarefas de planejamento, bem como a documentação de construção do ambiente:

09-09-2013 07-39-31

Ainda em cada site é possivel ver detalhes (3 abas seguintes), como a topologia IP para os servidores Edge com os ranges necessários, bem como as URLs. Importante que os ranges de IP e os nomes são apenas sugestões e precisam ser alterados para se adequar ao ambiente do cliente:

09-09-2013 07-41-18

09-09-2013 07-41-42

09-09-2013 07-41-53

 

Utilizando o Lync Planning Tool – Exportando os Dados

Utilizando a barra de ferramentas do Planning Tool vemos a possibilidade de criar um arquivo Visio com todos os diagramas gráficos mostrados nas imagens anteriores ou criar uma planilha Excel com os relatórios:

09-09-2013 07-38-49

O Visio exportado concentra todos os desenhos de topologia global e de sites separados em abas, podendo ser útil para apresentar ao cliente visualmente o design, uma vez que é possivel alterar os desenhos já que são baseados em stencils e não gráficos:

09-09-2013 07-43-13

A planilha Excel traz os relatórios de dados detalhados em abas, incluindo informações adicionais como o hardware necessário para cada servidor, o posicionamento e as configurações de firewall e certificados. Esta planilha é essencial na seção de requisitos a ser entregue ao cliente para preparação da implementação do ambiente Lync 2013:

09-09-2013 07-44-39

 

CONCLUSÃO

A ferramente Lync Server 2013, Planning Tool é um recurso inestimável para quem faz arquitetura de soluções tanto para pequenas quanto grandes empresas. Seus relatórios de necessidades de certificado, firewall e configurações ajudam mesmo quando estamos falando de um único servidor para todas as funções.

Posted: set 09 2013, 09:57 by msincic | Comentários (4) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'failover cluster'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews 2019: 4967159
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Windows Server 2012: Novidades do Failover Cluster Services (MSCS)

Novidades do Microsoft Cluster Services (MSCS)

Muitas funcionalidades são de gerenciamento e configuração, mas algumas se destacam:

  • Live Migration com multiplicas placas de rede – Hoje designamos uma placa para dar suporte ao Live Migration e somos limitados a uma VM por vez. O Windows 2012 utilizará todas as placas que estejam disponiveis para o processo, o que permitirá maior desempenho e multiplas operações. O processo será alterado de uma placa dedicada como é hoje para utilizar a banda livre em toda as placas.
  • Priorização e Afinidade de VMs – Estes eram dois tópicos delicados quando vendíamos soluções MSCS, pois não temos como indicar a sequencia com que as VMs deverão iniciar e, muito menos, a dependência entre elas. Isso causava problemas com aplicações como SharePoint, System Center ou IIS que dependiam do SQL Server estar iniciado para funcionarem. Como não podíamos indicar esta ordem os servidores IIS subiam antes do SQL, causando queda ou instabilidade nos serviços.
  • Novos limites de 64 nós e até 8000 VMs Hoje o limite é 16 nós de cluster com até 1000 VMs ou 384 por host. Com o novo limite de 64 nós, aumentou correspondentemente para 8000 VMs. Um aumento de 4 e 8 vezes respectivamente no número de host e VMs suportadas.
  • Transferência de File Server transparente – Este é um dos itens muito importantes que para muitos passava despercebido em projetos e que na administração do dia-a-dia se davam conta. Quando se move um share de um File Server virtual de um nó para outro o SMB (protocolo de comunicação) derrubava a sessão e o usuário recebia uma mensagem de erro de I/O. No SMB 3.0 no Windows 2012 será possivel fazer a migração sem a perda da sessão, resolvendo este problema. Adicionalmente isso também acontecerá se o File Server foi movido para um site remoto, porém neste caso entra o Hyper-V Replica que já é outro recurso novo no Hyper-V e não do MSCS.

Configurando o Failover Clustering no Windows 2012

Como qualquer nova funcionalidade desejada no Windows 2012, iniciamos por instalar e habilitar as features desejadas pelo Server Manager. Para isso utilizamos o menu Manage à Add Roles and Features e selecionamos a Failover Clustering, que automaticamente irá incluir as ferramentas de gerenciamento e outros itens que sejam necessários para o funcionamento, sendo possível escolher ou não a instalação, por exemplo, se for remoto não precisaremos do console local:

image

O passo seguinte é definir o nome e o IP que o cluster utilizará, uma vez que o acesso dos clientes não será pelo nome e IP dos servidores e sim pelo nome e IP configurado posteriormente. Neste exemplo foi escolhido o nome MSCS-Lab e o IP 192.168.0.230 que manualmente foram acrescentados ao DNS:

Já na console do Cluster utilizamos a opção Create Cluster... para iniciar o assistente do cluster. Note que no menu lateral acima da opção de criação temos a opção Validate Configuration que funciona como um BPA (Best Practices Analyzer) e é recomendado que se execute primeiro.

image

Voltando ao assistente, o primeiro passo é selecionar quais servidores estarão no grupo:

image

O passo seguinte é indicar o nome e o IP criados para esta finalidade:

image

Ao finalizar temos uma importante opção antes de simplesmente clicar no Next que é indicar se discos de storage serão automaticamente acrescentados no cluster. Isso é interessante para evitar que após a configuração do cluster seja necessário incluir os discos, mas deve ser usado com cuidado caso existam LUNs no storage dedicada a discos de acesso direto (Pass-Throught):

image

Na sequencia são definidos os serviços que estarão contemplados pela alta disponibilidade, como maquinas virtuais, DHCP, DNS, etc. Cada serviço tem um assistente próprio e configurações próprias, portanto não teríamos como abordar cada um neste momento. Alguns dos recursos disponíveis pode ser visto a imagem logo abaixo (tópico Hyper-V Replica Broker).

Hyper-V Replica Broker

Um dos novos recursos do Hyper-V 3.0 é a réplica de VMs que permite criarmos ambientes de alta disponibilidade com Datacenters remotos. Porem, este mesmo recurso pode ser configurado pelo Failover Cluster, habilitando o recurso de alta disponibilidade em Datacenter remoto automaticamente, diferente do Hyper-V que apenas faz a réplica exigindo a inicialização da VM remota em caso da parada do Datacenter principal.

Este recurso é criado por meio do assistente de papeis (New Role...) como a imagem abaixo:

image

Após acrescentar o serviço, será habilitado um novo nome e IP virtual específico para este cluster trabalhar as réplicas:

image

Após adicionar este serviço, acesse as máquinas virtuais e com o botão direito será possível ver a opção Replication à Enable Replication e seguir o assistente mostrado no artigo de Hyper-V, indicando o nome do servidor habilitado para réplica, seja ele um cluster ou standalone.

Para maiores detalhes sobre Hyper-V Replica Broker consulte o link abaixo onde poderá entender porque é necessário para os casos de cluster criar um novo nome e IP virtual: http://blogs.technet.com/b/virtualization/archive/2012/03/27/why-is-the-quot-hyper-v-replica-broker-quot-required.aspx

Trabalhando com VMs no Failover Cluster

Para que uma maquina virtual esteja sendo protegida e controlada pelo Cluster ela precisa ser criada nele e não pelo Hyper-V Manager (é possível mover pelo System Center Virtual Machine Manager ou VMM) e para isso utilize o menu lateral Create Role como no caso mostrado no tópico anterior para acrescentar o Replica Broker ou a opção Virtual Machines à New Virtual Machine.

Na sequencia irá ter acesso a criação de uma VM normalmente como acontece com o Hyper-V, e após a criação está irá aparecer na lista de Roles do Cluster.

Alguns recursos interessantes já existentes no Windows 2008 R2 continuam a funcionar, como Live Migration e Quick Migration, onde o Live migra as maquinas em funcionamento e o Quick ao fazer um Save State. Algumas mudanças ocorrem nesta nova versão, pois é possível agora fazer a migração entre máquinas que não estejam em um cluster, mas não é o tópico em questão.

Storage File Share

Um recurso interessante é poder agora armazenar maquinas virtuais em um cluster utilizando um File Share, ou seja, utilizar um terceiro servidor como Storage ao invés de um storage físico. Para utilizar este recurso acesse uma das VMs e utilize a opção Virtual Machine Storage:

image

Na sequencia define o File Share onde deseja que a VM fique hospedada:

image

Este recurso é excelente por permitir que utilizemos clusters de alta disponibilidade sem ter um storage físico dedicado.

Prioridades

Outro interessante recurso do Failover Cluster do Windows 2012 é indicar a prioridade de cada VM, assim garantindo que um servidor de banco de dados inicialize antes de um servidor com SharePoint ou IIS estejam solicitando a este os dados para funcionamento.

Este é um recurso importante para impedir os problemas comuns que temos quando utilizamos várias VMs, uma para cada função, sendo elas dependentes entre si. Para configurar este recurso utilize as propriedades da maquina virtual:

image

No exemplo citado, o servidor de banco de dados estaria com prioridade Alta, o servidor com IIS ou SharePoint com prioridade média ou mesmo baixa dependendo do tempo total de inicialização do banco de dados.

Importante: Não existe um relacionamento entre as VMs, portanto todas que estiverem selecionadas como High serão iniciadas, depois as Medium e por ultimo as Low.

Referencias:

Windows 2012 – Failover Clustering
http://technet.microsoft.com/en-us/library/hh831579

 

image Para mais informações sobre o Windows Server 2012, acesse: http://clk.atdmt.com/MBL/go/425205719/direct/01/

Posted: jan 17 2013, 09:40 by msincic | Comentários (1) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 2012

Adição de nós em Cluster-Problema com “Owner” da unidade CSV

SINTOMA

Ao acrescentar um novo nó em um cluster já existente enfrentei um problema no HA (High Avaliability) quando ao mover o storage ocorreu o erro “This node is not a possible owner for this resource”.

CAUSA

Em geral este erro não acontece, pois ao se acrescentar um novo nó ao cluster este já adiciona o novo host como “Possible Owner”, porem neste caso em especial o problema foi a configuração do iSCSI que estava incorreta e o novo host não conseguia acessar uma das unidades do CSV, ocasionando “Redirect Access”.

Após resolver o problema dos endereçamentos do iSCSI os discos ficaram visiveis, porem ele não era migrado para o novo host e acusa o erro indicando que o novo host não era um dos possiveis owners.

No caso de uma VM ou o Quorum basta clicar com o botão direito para acessar a lista de Possible Owners, mas isso não existe em unidades de storage.

Solução

Utilizando o PowerShell Modules execute o cmdlet abaixo e veja que uma das unidades do storage não tem o novo servidor na lista de nós:

Get-ClusterSharedVolume | Get-ClusterOwnerNode

ClusterObject                                            OwnerNodes
-------------                                               ----------
Unidade_G                                               {ServerA}
Unidade_H                                              {ServerA, ServerB}

Na sequencia utilize o comlet abaixo para definir os Owners da unidade que está incorreta:

Set-ClusterOwnerNode –Owners ServerA,ServerB -Resource "Unidade_G"

Por fim, execute o comando inicial novamente e veja que agora os Owners estão corretos:

Get-ClusterSharedVolume | Get-ClusterOwnerNode

ClusterObject                                            OwnerNodes
-------------                                               ----------
Unidade_G                                               {ServerA, ServerB}
Unidade_H                                               {ServerA, ServerB}

Nota

Antes de conseguir resolver o problema tentava utilizar o cmdlet Get-ClusterResource  | Get-ClusterOwnerNode porém unidades CSV não listados, com excessão do Quorum.

Posted: nov 08 2011, 18:03 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login